Esqueceu sua senha?
 
 
 
 
Busca Avançada
 
 
 
Receba as notícias da
Nutrição em Pauta
em seu e-mail
 
 
 1484 artigos encontrados em Notícias
 
 
Entenda as causas e consequências da hipertensão da gravidez
 
Dia 26 de abril é conhecido como o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial. Um em cada quatro brasileiros sofre com a doença e tudo isso é causado por vários motivos, dentre eles o estresse, diabetes, obesidade, alimentos ricos em sódio e sedentarismo. Isso causa um aumento da força (pressão) do sangue contra as paredes dos vasos sanguíneos, podendo causar infartos, derrames, insuficiência renal e danos hepáticos.

Já em mulheres grávidas a atenção deve ser maior, pois gestantes têm pré-disposição a adquirir a doença. Uma vez que ela surge, comumente a partir do quinto mês, e, diagnosticado no pré-natal, a hipertensão gestacional permanece pelo resto da gravidez, mas costuma a desaparecer dentro das 12 primeiras semanas após o parto e se não controlada pode vir a se tornar crônica. As primigestas são mais propensas.

O acompanhamento da hipertensão da gestação deve ser feita e tratada. No primeiro momento sem o uso de medicamentos e somente pelo controle da alimentação, peso e repouso. Se não for amenizada deve partir para medicamentos. Porém, todo controle deve ser feito por um profissional médico. A hipertensão da gestante é chamada de pré-eclâmpsia, que é o aumento da pressão arterial e a eliminação de proteína pela urina. E nos casos mais graves, pode chegar a eclampsia, que é o aparecimento de convulsões e agravamento do quadro clinico, chegando ao coma e a morte materna.

Mulheres que já apresentam caso de hipertensão antes de engravidar devem manter o uso adequado dos medicamentos que sejam compatíveis com a gravidez para que não ocorra um aumento e se instale a pré-eclampsia ou até mesmo a eclampsia.
Uma dúvida que deve ser esclarecida, até onde a hipertensão é risco para o bebê? Para o feto, há o risco de nascer prematuro, retardo de crescimento intrauterino e em casos mais graves pode ocorrer lesões neurológicas e até morte perinatal.

Fonte
Dr. Élvio Floresti Junior - ginecologista e obstetra formado pela Escola Paulista de Medicina. Possui título de especialista em ginecologia e obstetrícia pela Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e título de especialista em colposcopia.
 
 
 
 
 

 
Nossos Patrocinadores
   
 
© Copyright Nutrição em Pauta. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.